Via Campesina: Micheletti só se sustenta com armas

aaaaaaaaonduras

Por Marcela Rocha, na Terra Magazine

Nesta terça-feira, 28, faz exatamente um mês que Manuel Zelaya foi deposto da presidência de Honduras. Segundo relatos de Rafael Alegria, coordenador da Via Campesina no país, “a resistência popular contra o golpe de estado segue firme”. Contudo, lamenta “a indecisão dos Estados Unidos em contribuir para uma solução rápida”. “Este é ‘O’ problema”, enfatiza.

“O governo de Roberto Micheletti é totalmente débil e não se sustenta a não ser pelas armas”, ataca Rafael, que avalia as pressões internacionais de ordem comercial como um fator positivo, porém “não são o suficiente” para restituir Zelaya. O governo golpista não se consolida frente ao cerco internacional, foram suspendidas cooperações internacionais. “Ou seja, outra debilidade é a de ordem econômica”.

– Mas, a grande questão é que ele (Micheletti) está tendo tempo, muito tempo e assim acontece o que estamos vendo agora: o empresariado hondurenho, donos de grandes empresas privadas envolvidas com a Câmara de Comércio, da Indústria e da Construção, prometeram ajuda econômica ao presidente golpista.

Trinta dias depois do golpe, Zelaya coordena da Nicarágua seu plano para retomar o poder, apesar da ordem de captura.

A rotina da população que se concentra na “resistência popular” começa cedo em Tegucigalpa. Perto das 8 horas da manhã começam os preparativos para realizarem uma “marcha”, que conta com membros de organizações indígenas, campesinas, professores, entre outros movimentos que englobam diferentes estratos sociais. “Isto acontece todos os dias”, diz Alegria.

Em seguida, os manifestantes da recém-fundada “Frente Nacional de Resistência Contra o Golpe de Estado” se reúnem. A conjuntura, segundo o coordenador da Via Campesina, “muda a todo instante”. “Fazemos também declarações públicas de apoio, recebemos muitas ligações internacionais”, conta.

– O povo está resistindo pelas ruas e nesse momento há resistência ao governo golpista por todas as partes do país – comemora.

O Congresso de Honduras adiou nesta segunda-feira, 27, sua decisão a respeito de uma anistia política para o presidente deposto Manuel Zelaya. O presidente interino impôs uma condição para o restabelecimento do diálogo: Zelaya deveria desistir da Constituinte, motivo inicial do golpe que daria origem à maior crise na América Central nos últimos 20 anos.

Rafael Alegria afirma a Terra Magazine que “as forças populares definitivamente não concordam com a condição”. Mas ressalta que “neste momento, a prioridade é restituir o presidente Zelaya”, para depois “avançar com ele em direção às mudanças importantes que prepararão as condições para uma constituinte”.

– Tudo que acreditamos ser fundamental para o nosso país passa, antes de mais nada, pela restituição de Zelaya – diz Alegria.

Sobre Osvaldo Bertolino

Jornalista, natural de Maringá — Noroeste do Paraná.
Esse post foi publicado em América Latina e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Via Campesina: Micheletti só se sustenta com armas

  1. Pingback: Últimas noticias 29 Julio (en vivo) Golpe de estado en Honduras. LA HORA FINAL HA LLEGADO. « Guerra Digital para la Resistencia Mental

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s