Bernanke diz que medidas agressivas evitam 2ª Grande Depressão

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, defendeu as agressivas medidas de política monetária adotadas ao longo do último ano, falando diretamente à classe média dos EUA.

“Não serei o presidente do Federal Reserve da segunda Grande Depressão”, disse Bernanke, durante um evento na prefeitura de Kansas City, transmitido pela rede pública de tevê PBS e moderado pelo apresentador Jim Lehrer.

 Bernanke comparou as políticas do Fed – incluindo as taxas de juro perto de zero e a criação de um grande pacote de programas de crédito — a “colocar o pé no acelerador”. Mas ele salientou que, uma vez que a economia se estabilize, o Fed terá de desativar gradualmente seus programas e “deixar a economia fazer o que se espera que ela faça.”

Bernanke descreveu vividamente a indignação que sentiu ao ter de resgatar grandes instituições financeiras que fizeram apostas arriscadas. Essas medidas, disse, não se destinavam a ajudar tais instituições, mas estavam ligadas à economia como um todo, tendo em vista a repercussão das falências no sistema financeiro.

O presidente do Fed pediu que os congressistas apresentem um mecanismo melhor para resolver o problema das instituições muito grandes que se encontrem à beira da falência, a fim de estabelecer um equilíbrio entre o socorro do governo e o pedido de concordata.

Embora não possam eliminar totalmente as crises financeiras, os formuladores de políticas públicas podem evitar que os EUA enfrentem novamente uma crise tão severa como a atual, acrescentou Bernanke.

Ele sinalizou que a economia americana deverá parar de se contrair no segundo semestre, mas deve ter crescimento de cerca de apenas 1%, em base anual, durante esse período.

Segundo o presidente do Fed, para que a taxa de desemprego se mantenha estável, o crescimento do PIB deve ser de 2,5%, e por isso o mercado de trabalho provavelmente não vai se estabilizar até o início do próximo ano.

Enquanto isso, cerca de 2,8 milhões de hipotecas deverão ser executadas, acrescentou.

Bernanke manteve-se otimista, porém, sobre as perspectivas para a economia no longo prazo, dizendo que “essa economia não pode ser mantida em queda”.

Ele observou ainda que os bancos se estabilizaram e que o mercado acionário apresentou forte alta nas últimas semanas.

A inflação, disse, deverá ficar bastante baixa nos próximos dois anos, dado o enfraquecimento da economia global.

Bernanke também afirmou que a melhor maneira de garantir um dólar forte é ter uma economia vibrante

Com agências

 

Sobre Osvaldo Bertolino

Jornalista, natural de Maringá — Noroeste do Paraná.
Esse post foi publicado em Crise financeira, Estados Unidos e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s