Coisas do Brasil: vaqueiros precisam mentir para se aposentar

aaaaaaaaaaaaaaaavaqueiro1

Por Iuri Rubim, no blog  Blog das Ruas

Tags:cultura popular, legislação, profissões, vaqueiro – iurirubim às 12:43

 Há pouco tempo, o Blog das Ruas publicou uma matéria revelando que o repentista pode ter a sua profissão reconhecida.

Agora outra classe profissional, também pertencente ao Brasil profundo, reclama o mesmo tratamento: o vaqueiro.

Já tramita na Câmara dos Deputados o projeto de lei 1530/2007, de autoria do congressista baiano Edson Duarte (PV), que regulamenta a profissão de vaqueiro, com o devido registro que lhes permitirá o acesso aos benefícios sociais a que têm direito. O projeto está, desde 2007, na Comissão de Constituição e Justiça à espera aprovação.

Os vaqueiros foram responsáveis pela expansão territorial do país

Os vaqueiros foram responsáveis pela expansão territorial do país

É realmente muito estranho que um dos primeiros profissionais deste país – figura-símbolo do Nordeste e do Brasil – não tenha direito a uma aposentadoria.

“Para um vaqueiro se aposentar ele precisa mentir”, afirma Washington Queiroz, conselheiro de cultura do Estado da Bahia.

Segundo Queiroz, existe uma diferença entre as atividades desenvolvidas por vaqueiros e trabalhadores rurais – que têm garantido por lei o direito à aposentadoria.

Enquanto este último lida com a agricultura e está ligado ao cultivo da terra, o primeiro é responsável pelo manejo do gado, portanto da pecuária. Sem a regulamentação, a atividade de vaqueiro é deslegitimada.

Será que, após alguns séculos, os vaqueiros finalmente terão a profissão reconhecida?

Será que, após alguns séculos, os vaqueiros finalmente terão a profissão reconhecida?

– Não é justo que o vaqueiro, responsável pela expansão territorial do país e pela criação da pecuária, não tenha sua profissão reconhecida, com o devido registro que lhe permitirá o acesso a direitos, como qualquer outra profissão – argumenta o conselheiro.

No dia 15 de julho deste ano, o Conselho de Cultura da Bahia aprovou uma moção pela reconhecimento e registro da profissão de vaqueiro, uma “correção desta injustiça histórica para com os vaqueiros”, diz o documento.

“(…) Foi o vaqueiro que desbravou e abriu os sertões da Bahia, do Nordeste e de outras regiões do Brasil, ampliando a geografia da então colônia (…) também foi determinante para a criação do fenômeno sócio-econômico da pecuária, pontuando com locais de pouso, currais, primeiros arruados, aquilo que viria a ser as cidades do sertão do Nordeste e, mais tarde, o território do Estado da Bahia (…) esses elementos fizeram do vaqueiro – profissional de uma singular especificidade -, o responsável pela criação de todo um acervo social e cultural que abrange desde uma riquíssima e singular tradição oral, vasta tecnologia material e saberes diversos”.

Moção do Conselho Estadual de Cultura da Bahia

(fotos: Arquivo Fundação Padre João Câncio- Missa do Vaqueiro [1]; Iuri Rubim [2]; Blog Iconacional [3])

 

Sobre Osvaldo Bertolino

Jornalista, natural de Maringá — Noroeste do Paraná.
Esse post foi publicado em história, sindicalismo, trabalhadores e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s