Empresas aéreas iniciam guerra de tarifas

A crise econômica mundial, a gripe suína e os recentes desastres aéreos não impediram investimentos e lançamento de rotas pelas companhias aéreas.

Ao contrário. As ofertas de voos interestaduais, antes concentradas nas mãos da TAM e Gol, ganharam concorrentes, como Trip, Azul e Webjet Linhas Aéreas, que começam a abocanhar fatia de mercado das duas gigantes, conforme relatório da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

E a batalha pelo passageiro promete trazer de volta a guerra de tarifas.A Azul Linhas Aéreas Brasileiras começa a operar em Belo Horizonte em 10 de agosto com quatro voos diários entre Confins e Viracopos (Campinas-SP).

A companhia anunciou na quarta-feira bilhetes para o trecho (só ida ou só volta) a partir de R$ 39, fora a taxa de embarque.

O valor é bem menor do que o cobrado pelo ônibus rodoviário convencional de BH para Campinas (na Gontijo, o preço é de R$ 86,06).

De Campinas, o principal ponto de operação da Azul, o passageiro vai poder voar para mais 12 cidades brasileiras com tarifas a preços bem competitivos: para Curitiba, Rio de Janeiro, Maringá (PR), Navegantes (SC), com bilhetes a partir de R$ 69 e para Salvador, Manaus, Recife, Fortaleza e Maceió, com bilhetes a partir de R$ 99.

A tarifa promocional vale só para as compras até 10 de julho e com embarque de 10 de agosto a 31 de outubro.

“Queremos buscar o passageiro que viaja pela primeira vez de avião. Aqui no Brasil, 70% das vendas das companhias aéreas são de negócios e apenas 30% de lazer. Nos Estados Unidos, esse número é inverso”, afirma Pedro Janot, presidente da Azul.

Este ano, todos os voos da Azul com saídas de Belo Horizonte, segundo Janot, vão ser feitos com escalas em Campinas (SP).

Mas, a partir de 2010, ele afirma que podem surgir novas rotas.

O aeroporto da Pampulha, que está fechado a voos interestaduais, é de interesse da companhia aérea, caso as regras sejam alteradas, como aconteceu no Aeroporto Santos Dumont, também central no Rio de Janeiro.

A regional Trip Linhas Aéreas também estreou em Confins na semana passada com quatro rotas, que vão ligar a capital mineira ao Rio de Janeiro (Santos Dumont), Goiânia (GO), Cuiabá (MT) e Ji-Paraná (RO).

A partir de Cuiabá, serão feitas conexões imediatas com Manaus, com toda a Região Centro-Oeste e com o Oeste do Paraná.

A empresa, que anunciou a fusão com a mineira Total Linhas Aéreas em novembro de 2007, já opera com voos regionais no aeroporto da Pampulha.

O presidente da Trip, José Mario Caprioli, afirmou que os voos de distâncias menores vão ser mantidos na Pampulha, mas os destinos que dependem de mais de uma conexão serão operados por Confins.

O mercado brasileiro de aviação doméstica não tem espaço para tanta companhia aérea, na avaliação da diretora de projetos e estudos de mercado da All Consulting, Simone Escudêro.

“Com mais empresas no mercado, as companhias vão precisar aumentar a taxa de ocupação e reduzir custos, com maior ganho de eficiência operacional”, afirma Simone. E o segmento aéreo, diz, é mais vulnerável a fatores como gripe suína.

A TAM e a Gol já perderam participação de mercado de janeiro a maio, comparando com 2008.

Nos cinco primeiros meses deste ano, a Gol/Varig ficou com 40,33% dos passageiros transportados, ante 43,77% no mesmo período de 2008.

Na TAM, a participação no período caiu de 49,27% para 48,56%.

Enquanto isso, a participação da Webjet saltou de 1,55% para 3,95%; da Trip, de 0,93% para 1,25%; e a novata Azul já detém 2,49% do mercado.

Além de passagens com preços competitivos, as companhias aéreas concorrem nos programas de fidelidade.

A Azul lançou o Tudo Azul, que, diferentemente dos outros programas de fidelidade, não tem plano de milhagens, mas descontos.

A cada compra de passagem aérea, o cliente recebe o equivalente a 5% do valor da tarifa paga como crédito em sua conta.

A partir de R$ 50 acumulados, o passageiro já pode usar os créditos para a compra de novos bilhetes.

O Smiles, da Varig, lançou este mês uma promoção em que o passageiro usa 2,5 mil milhas (a metade da quantidade de períodos tradicionais) para emitir bilhetes entre Brasília, Goiânia e cidades da região Sul e Sudeste.

A informação é do blog Aeroporto de Maringá

 

Sobre Osvaldo Bertolino

Jornalista, natural de Maringá — Noroeste do Paraná.
Esse post foi publicado em economia, Maringá e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s