A Itália dos anos de chumbo e a questão do asilo político a Cesare Battisti

Durval de Noronha Goyos, no site Última Instância

 

O período que se convencionou na Itália chamar de “anos de chumbo”, nome inspirado no filme de Margarethe von Trotta, vai aproximadamente de 1968 até o início da década de 80. Naquela época, o Estado italiano estava fragilizado, não apenas pelas frágeis estruturas decorrentes de sua tardia formação, apenas no final do século 19, mas também pelos efeitos da derrota do país na 2ª. Guerra Mundial, quando formou parte das chamadas Potências do Eixo, bem como porque era um peão dos EUA na chamada guerra fria.

 

Sucessivos governos italianos alternavam-se no poder, às vezes em questão de apenas dias. Conforme se demonstrou posteriormente, os principais partidos políticos italianos eram compostos de elementos corruptos, de membros do crime organizado, notadamente da Máfia siciliana, e de agentes de governos estrangeiros. A desesperança nacional com tal estado de coisas era enorme. 

 

No vazio de poder, instalou-se o caos. A política institucionalizada perdeu totalmente a credibilidade. Nesse clima, logo surgiram forças políticas de esquerda e de direita, que formaram organizações revolucionárias. Na esquerda estavam, dentre outras, as Brigate Rosse (BR), os Nuclei Armati Proletari (NAP) e os Proletari Armati per il Comunismo (PAC).

 

De outro lado, na direita estava a Terza Posizione, a Avanguardia Nazionale e a Ordine Nero. Órgãos do governo italiano estavam, por sua vez, infiltrados por agentes de inteligência de potências ocidentais que, juntamente com os organismos de direita e esquerda praticavam atos de violência, em violação às leis do país.

 

O Estado italiano, como ocorre normalmente nestas ocasiões, diminuiu as liberdades constitucionais, condicionou o Estado de Direito, deu poderes extraordinários às forças policiais, inclusive o de homicídio, da mesma forma que manipulou e influiu decisivamente no resultado de inquéritos e julgamentos, comprometendo a independência do poder judiciário do país.

 

Cesare Battisti foi membro da organização Proletari Armati per il Comunismo, supra mencionado. Foi condenado à revelia, à prisão perpétua, pena máxima, por quatro homicídios praticados no final dos anos 70, em processo em que respondeu à revelia, com um único testemunho adverso, obtido através do frágil instituto da delação premiada. O clima institucional do julgamento era o já descrito.

 

Refugiado anteriormente em outros países, onde teve a guarida de governos de esquerda, Cesare Battisti acabou por vir ao Brasil, onde foi preso pela Polícia Federal, na cidade do Rio de Janeiro, em 2007. Valendo-se de direitos conferidos pela Constituição Federal, por diversos tratados assinados pelo Brasil, bem como pela legislação ordinária, constituiu advogados e tratou de pleitear o reconhecimento de refugiado político e a concessão do correspondente asilo político, por parte de nosso governo.

 

O seu pleito está de acordo com a lei 9.474/97, que regula a matéria e que manda, em seu artigo 1, ser reconhecido como refugiado, inter alia todo indivíduo que “devido a fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas encontra-se fora de seu país de nacionalidade e não possa ou não queira acolher-se à proteção de tal país.”

 

A referida lei manda, no seu artigo 12, que o processo de concessão de asilo político seja de competência do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare). Da decisão proferida pelo Conare cabe recurso, conforme artigo 29, ao Ministro da Justiça, cuja decisão é final (artigo 31).

 

Pois bem o rito legal foi cumprido, o Conare denegou por maioria o asilo, cuja decisão foi revertida pelo Ministro da Justiça, que o concedeu. A decisão é final, segundo a lei brasileira, e atendeu a todos os requisitos do ordenamento jurídico doméstico, bem como às tradições brasileiras na área. Perante o direito internacional, trata-se de um ato soberano e legal do Estado brasileiro.

 

Insurgiu-se o governo italiano com tal decisão administrativa brasileira. Tal reação, que ignora os sólidos fundamentos legais do ato do governo do Brasil e é baseada tanto num sentimento de profunda arrogância como de desprezo pelas instituições nacionais, não deve ser levada em conta.

 

Se tivesse levado a sério as idiossincrasias políticas italianas, o Brasil teria preso e deportado o próprio Garibaldi, condenado à morte em Genova em 1835, não teria acolhido milhões de refugiados econômicos e políticos de duzentos anos de injustiças sociais naquele país, bem como não teria enviado uma força expedicionária de cerca de 50 mil militares para ajudar a libertar a Itália da ditadura obscena e cruel de Mussolini.

 

Anúncios

Sobre Osvaldo Bertolino

Jornalista, natural de Maringá — Noroeste do Paraná.
Esse post foi publicado em mídia, Política e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para A Itália dos anos de chumbo e a questão do asilo político a Cesare Battisti

  1. adriana disse:

    excelente texto mesmo, se Battisti tivesse sido extraditado, possivelmente seria uma punição injusta, pois não se tem a convicção de que ele é o autor dos assassinatos. Foi a decisão mais adequada, sendo que o próprio Tratado de Extradição dá essa possibilidade, de que se houver indícios de que o extraditado venha a sofrer perseguição ou que este corra risco de vida, em seu país, a extradição seria negada.

  2. Pingback: Cesare Battisti e o crime político | ImprenÇa

  3. Raphael disse:

    Po, excelente texto. Concordo plenamente com que foi dito.

    Além do que, não está comprovada a culpa de Battisti em 3 dos assassinatos que o acusam de praticar. Dois deles inclusive praticados em um intervalo de tempo muito pequeno (poucas horas) levando em consideração a distância fisica em que foram cometidos.

    Isso sem contar que a Italia de hoje não dispõe de um clima agradavel para os militantes de esquerda, enquanto os de direita deitam e rolam, vide os conflitos que tiveram em 2008 entre estudantes de esquerda e de direita em Roma e outras cidades.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s